Inteligência Artificial pode começar a pensar de forma criativa. | Bluebell.Mobi Fábrica de Soluções em Tecnologia

Inteligência Artificial pode começar a pensar de forma criativa.

Sem Avaliação

Pesquisadores do Google desenvolveram uma forma de compartilhar o que acontece em suas mentes no campo do cérebro relacionado ao aprendizado profundo, e os resultados foram um tanto quanto estranhos.

O que foi feito: O time de pesquisadores criaram uma ferramenta que combinam diversas técnicas para mostrar e ilustrar de forma mais clara o que ocorre nas redes neurais ligadas decisões.
Voltada à classificação em imagem, esse sistema permitiu que uma pessoa visualize como as sinapses desenvolve ligações na rede neural dando a compreensão sobre o que está sendo interpretado pelo cérebro, por exemplo, uma gatinha ou um Labrador. Nas imagens construídas acima mostra um mosaico com várias imagens, mostrando o processamento de cada rede neural e como essa forma a compreensão como um todo.

Porque isso é inovador: O Aprendizado profundo é poderoso, mas pouco prático. O que torna-se um problema, a exemplo prático é que se você está dirigindo, uma ação inconsciente do campo de tomada de decisões em eventualidades, isso  automaticamente te gera um aprendizado por ter tido uma tomada de ação que exigiu sua criatividade para agir.
Então, ser capaz de visualizar tais ações de forma visual. é o primeiro passo para poder emular em AIs de Carros autônomos, assim também, poder enxergar algum erro grave que a AI tenha tomado em um percurso, ajudaria de forma prática entender com qual embasamento a AI fez determinada ação. Além disso nós seres humanos, podendo compreender e enxergar como a decisão foi tomada no processamento da AI teríamos uma noção completa, mesmo nas decisões corretas.

No entanto: Nem todos pensam que as AIs precisam se explicar. Em um debate recente, Yann Lecunn, que lidera a pesquisa da AI do Facebook, argumentou que devemos simplesmente nos concentrar em seu comportamento. Afinal, nem sempre podemos explicar as decisões práticas que nós mesmos humanos tomamos.

Fonte: (MIT Technology Review – Texto Original: Will Knight)

Avalie Esse Artigo

Deixe o seu comentário